Ilhas e gentes dos Açores em fotografia

A exposição do trabalho de José Santos evidencia a aura dos Açores em 33 fotografias.

Em 1980, José Santos revelava fotografias a preto e branco que tirava com uma velha máquina fotográfica que um dia pertenceu ao seu pai. Hoje não a usa, mas guarda-a religiosamente na sua secretária para sempre que precisa de inspiração para aquela que acabou por se tornar a sua profissão.

Apaixonado confesso por “projetos dramáticos”, traz ao nosso Centro uma exposição que celebra os Açores e as suas pessoas. Segundo o próprio fotógrafo, “Nossas Ilhas, Nossas Gentes, Suas Vivências Atuais e do Passado” consiste num “conjunto de 33 fotografias com imagens dos Açores e de toda a sua essência”. Um trabalho que celebra o nosso arquipélago em todo o seu esplendor.

Das imagens em exposição, José Santos não tem dúvidas em afirmar que “a fotografia mais complicada de tirar foi, sem dúvida, o topo da montanha da ilha do Pico, visto ter sido tirada de avião a uma velocidade de cruzeiro de cerca de 500 km/hr”. Da mesma forma, o fotógrafo não hesita quando lhe pedimos para escolher a imagem que mais prazer teve em captar: “A fotografia panorâmica registada do Miradouro da Grota do Inferno (Ilha de São Miguel), que nos permite visualizar as lagoas das Sete Cidades, de Santiago e a Rasa”.

Motivos e inspirações não faltam para apreciar esta exposição que estará presente no nosso Centro até ao dia 18 de Março, no piso 0. Contamos consigo?

Categorias
Cultura
Partilhar

Tudo o que precisa num único espaço